COMPORTAMENTO PRÓ-AMBIENTAL NO AMBIENTE UNIVERSITÁRIO: ANÁLISE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA

Autores

  • Micaele Martins Carvalho
  • Dênis Antônio Cunha Universidade Federal de Viçosa (UFV) Departamento de Economia Rural
  • Fabiana Rita Couto-Santos
  • Marcel Viana Pires

Resumo

Neste artigo, procurou-se identificar os fatores determinantes do comportamento ambiental da comunidade acadêmica da Universidade Federal de Viçosa (UFV), localizada em Minas Gerais. Metodologicamente, foi construído um Índice de Comportamento Pró-Ambiental (ICPA), utilizando Análise de Componentes Principais. As análises envolveram modelos Probit e Probit Ordenado e uma regressão por Mínimos Quadrados Ordinários. O ICPA médio de 0,74 apontou um alto nível de comportamento pró-ambiental da comunidade estudada caracterizado pela relevância das propostas ambientais na escolha do voto (52%), alta predisposição a mudar de hábitos para combater as mudanças climáticas (98%) e baixa predisposição em concordar com a poluição em prol do crescimento econômico (10%) ou com o desmatamento em prol do aumento da produção de alimentos (8%). Os modelos preditivos destacaram a predominância do papel desempenhado pelo conhecimento e a preocupação com as mudanças climáticas como determinantes do comportamento pró-ambiental dos membros da comunidade acadêmica enquanto as variáveis socioeconômicas se mostraram fracas preditoras. Portanto, ao formar profissionais que responderão por decisões em todos os setores da sociedade, a universidade tem a oportunidade de propagar os conhecimentos sobre as questões ambientais, tornando a tomada de decisões dos seus egressos mais acertada e com maior consciência sobre seus impactos no meio ambiente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2017-07-12

Como Citar

CARVALHO, M. M.; CUNHA, D. A.; COUTO-SANTOS, F. R.; PIRES, M. V. COMPORTAMENTO PRÓ-AMBIENTAL NO AMBIENTE UNIVERSITÁRIO: ANÁLISE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA. Revista Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos, [S. l.], v. 11, n. 2, p. 210–232, 2017. Disponível em: https://www.revistaaber.org.br/rberu/article/view/201. Acesso em: 1 out. 2022.
Share |