DETECÇÃO DE CLUSTERS NO MICROCRÉDITO EM GOIÂNIA

Autores

  • Felipe Resende Oliveira Mestre em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE-PIMES) e doutorando pela mesma instituição. Endereço: Av. dos Economistas, s/n Cidade Universitária 50670901 - Recife, PE – Brasil. E-mail: felipexresende@gmail.com Fone: (81) 9656-0510.
  • Tatiane Almeida de Menezes UFPE

Resumo

O presente trabalho busca identificar aglomerados espaciais nos empréstimos realizados pelo Banco do Povo de Goiânia. Além disso, o trabalho visa captar a presença da aglomeração espacial dos indivíduos inadimplentes. A base de dados utilizada foi obtida pelo Banco do Povo de Goiânia e compreende o período de 2005 a 2010. O estudo se baseia nos modelos de difusão da informação. A metodologia utilizada para detecção de clusters espacial é o modelo Scan Statistics, no qual as distribuições de probabilidade associadas aos dados em aleatoriedade espacial são as distribuições de Poisson e Bernoulli. Os resultados indicam a existência de cluster para os empreendedores. Quando analisamos os clientes inadimplentes há 30 dias ou mais, o método indica que os clientes estão distribuídos aleatoriamente no município de Goiânia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Resende Oliveira, Mestre em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE-PIMES) e doutorando pela mesma instituição. Endereço: Av. dos Economistas, s/n Cidade Universitária 50670901 - Recife, PE – Brasil. E-mail: felipexresende@gmail.com Fone: (81) 9656-0510.

UFPE

Tatiane Almeida de Menezes, UFPE

Doutora pela Universidade de São Paulo. Professora da Universidade Federal de Pernambuco. Endereço: Av. dos Economistas, s/n Cidade Universitária 50670901 - Recife, PE – Brasil.

E-mail: tatianedemenezes@gmail.com Fone: (81) 9978-5402.

Downloads

Publicado

2016-06-17

Como Citar

RESENDE OLIVEIRA, F.; ALMEIDA DE MENEZES, T. DETECÇÃO DE CLUSTERS NO MICROCRÉDITO EM GOIÂNIA. Revista Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos, [S. l.], v. 9, n. 2, p. 228–242, 2016. Disponível em: https://www.revistaaber.org.br/rberu/article/view/113. Acesso em: 11 ago. 2022.
Share |